Pular para o conteúdo principal

Overhelmed | Gouache

 Saudações!

Quem me acompanha no Instagram sabe que há algum tempo, publiquei uma pintura sobre como estava me sentindo à respeito da pandemia. No post, falo sobre as consequências de se estar longe de pessoas queridas, também conto como é estar longe de coisas que gosto de fazer por diversão e reflito sobre os impactos disso em mim.

Hoje quero compartilhar com vocês o segundo trabalho dessa série: Sobrecarregado.

No fim da postagem tem as imagens do primeiro trabalho, Coração Fragmentado, caso estejam com preguiça de acessar meu Instagram para conferir o original.

Tentei pintar algo que demonstrasse o incômodo de ter uma mente "sobrecarregada" de pensamentos e de preocupações. Queria causar um incômodo visual, por isso propus algo que estressa a visão do observador. O intuito era de transmitir visualmente, mesmo que em uma parcela ínfima, o incômodo de se sentir assim. Espero ter alcançado esse resultado.

Usei apenas guache nesse trabalho, como de costume para os trabalhos pessoais que faço. Essa pintura foi feita em uma folha de papel A4 Canson Desenho 200 g preparado com uma camada de gesso acrílico.

Demorei um bom tempo para concluir essa pintura, além de trabalhosa, era algo íntimo, então deixei a vontade de concluir o trabalho chegar, sem pressa. Uma das coisas que aconteceu quando eu parei de usar o Instagram com frequência, foi que a urgência de concluir os projetos deixou de ser pautada pela necessidade de angariar seguidores (até escrever isso é ridículo, minha nossa) e passou a ser a de concluir o trabalho apresentando o resultado que eu queria, independente de quanto tempo levaria para fazer isso. Isso foi libertador...

Por esse mesmo motivo, fiz uma postagem recente no Instagram convidando as pessoas à visitarem mais o blog, já que lá, eles não vão encontrar muitas novidades de agora em diante.

Essa pintura foi feita para demonstrar o resultado psicológico da soma de uma pandemia global com um governo negacionista e fascistoide. E como se isso não fosse suficiente, agora que estamos "saindo" do pior momento da pandemia, temos vacinas e até podemos alimentar a esperança de tirar o louco do posto de presidente, a Rússia resolve invadir a Ucrânia. E apesar de não haver (ainda) a possibilidade disso se transformar na temida terceira guerra mundial, esse sussurro constante não deixa de arrepiar a nuca.

Conforme disse, segue a outra pintura:



Enfim, é isso! Espero que tenham gostado do resultado da pintura

Abraços e até breve.

Comentários

  1. O domínio que você tem da técnica permitiu que realmente transmitisse uma sensação incomoda. O cérebro incandescente me fez pensar no quão isso pode ser agonizante.

    Quanto às redes sociais, ainda tenho que desencanar. Mas continuo postando lá porque eu estaria desenhando de qualquer forma.

    Parabéns pelas telas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Fico feliz por ter lhe incomodado", a intenção era essa mesmo. Transmitir um pouco desse "stress" para o observador. E como você disse, o guache é o material com que tenho mais experiência, então frente à desafios como esse, o jeito é apostar as fichas nele.

      Já quanto as redes sociais, ainda tenho vontade de publicar uma coisa ou outra (aceito isso, é como uma droga). Pois sinto falta "da atenção que recebo" ao compartilhar meus trabalhos. Mas depois de um tempo, percebi que isso é uma perigosa cobra de duas cabeças. No fim, você acaba virando um escravo e passa a produzir somente por causa disso. Como disse, é perigoso...

      Enfim, muito obrigado pelo comentário.

      Se eu demorar um pouco para responder, é por que agora estou moderando os comentários. Cansei de receber comentários sobre anúncios de jogos de apostas de gringos.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c