Pular para o conteúdo principal

About landscapes and evolution | Gouache

Saudações visitantes!

Hoje, quero falar um pouco sobre evolução, não a científica, mas àquela que acontece quando praticamos demais algumas habilidades que adquirimos na vida, como o desenho e a pintura. Essa história de dom não existe, tudo é prática e esforço.

Recentemente fiz três estudos de pintura de paisagem, um sobre um cenário do filme A Viagem de Chihiro do estúdio Ghibli, outro sobre a igreja e lagoa que são alguns dos símbolos da cidade em que vivo, além de uma pintura de um campo qualquer. E cheguei a constatação de que enfim alcancei o nível de pintura (utilizando guache) que sempre quis.

Os filmes dos estúdio Ghibli, em especial A Viagem de Chihiro e o Castelo Animado foram essenciais para mim, pois são algumas das minhas principais influências quando o assunto é pintura de cenários com guache. Depois de descobrir como esses cenários eram pintados, estudei com guache o máximo possível para tentar entender as técnicas e os materiais necessários para se fazer algo assim e enfim estou obtendo bons resultados. E é sobre isso que quero falar hoje.

O cenário acima é um recorte do filme A Viagem de Chihiro, pose capturada durante o trajeto de trem até a casa da vovó Zeniba. Ele não ficou idêntico a pintura original, mas ficou bem próximo, inclusive as cores.


Como de costume, a edição dessa imagem, para passar pela tela, a mesma sensação das cores reais foi complicada, mas consegui chegar próximo e isso é uma boa coisa.


A segunda pintura, da Igreja São Francisco de Assis na Lagoa da Pampulha foi feita logo em seguida. Queria muito pintar algo real, algo que posso ver fisicamente se quiser e achei essa referência obtida no site Sou BH excelente para o estudo.


Essa pintura selou os conhecimentos obtidos nos estudos anteriores, tanto para pintura de matas quanto de água, ou seja, o que foi difícil nos outros estudos, nesse já estava estabelecido na mente e funcionou perfeitamente.


Como disse anteriormente, esses dois últimos estudos mostraram que consigo fazer pinturas de cenários fictícios ou reais com boa qualidade visual e isso me deixa muito feliz. E tudo começou no primeiro estudo que fiz utilizando esses conhecimentos, que podem ver a seguir.


Essa pintura foi feita com o intuito de estudar como representar grama, folhas, arbustos e similares, além de estudar como pintar a superfície da água, como em rios e lagos.


E com esse estudo comecei a perceber que alguma coisa estava mudando dentro de mim, comecei a entender como usar "esses recursos e fazê-los funcionarem para mim" e isso foi incrível.


Bom, para encerrar esse post, deixo a dica que sempre dou quando me perguntam como melhorar o desenho e a pintura? E a resposta é simples, faça isso todo dia! Depois de um tempo, seu cérebro entende como criar atalhos para obter resultados melhores mais rápido, você se habitua ao material e às ferramentas que tem e daí para você fazer qualquer coisa que quiser é fácil. E não se esqueça de estudar os fundamentos do desenho, isso é muito importante.

Abraços e até breve!

Comentários

  1. Trabalhos sensacionais.

    O cenário da animação do Chihiro dá impressão de que está sob a luz do sol. A canvas da igreja me impressionou o efeito de água e na terceira pintura, chamou-me a atenção a riqueza de detalhes.

    Concordo que a prática constante nos faz progredir. A arte precisa de devoção e esforço. Elementos que acredito que você tem de sobra!

    Belo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Andy!!!

      Sempre achei esse cenário de Chihiro incrível. Passava tanto a sensação de calmaria e com tão pouco que me impressionou. Ele foi o primeiro tapa na cara que recebi quando assisti o filme e fiquei apaixonado instantaneamente. Quanto a pintura da igreja, escolhi essa foto de referência justamente pelo efeito que tinha na água. Achei incrível e queria tentar representar com tinta. Já a terceira, foram justamente nos detalhes mesmo que eu foquei. Nas pinturas seguintes, já não me preocupei tanto assim com detalhes, eles podem ser sugeridos e isso já esta bom para mim.

      Agora, estou tentando praticar a criação de cenários sem referência. Vamos ver no que vai dar.

      Abração!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani , usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo , e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. - FONTE . Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e e

Still life | Oil pastel

Saudações visitantes! Recentemente, houve um aumento considerável de acessos à postagem sobre pastel oleoso . Aí pensei: como o pessoal gostou do conteúdo, vou fazer mais um trabalho com pastel oleoso demonstrando minha evolução depois daqueles estudos, a fim de provar que o tempo pode maturar o conhecimento sobre algo. Há, estou reorganizando as postagens e "catalogando-as" por temas, como: Aquarela , Guache , etc. Basta conferirem no canto direito da tela em Marcadores . Foi a forma que encontrei para diminuir o caminho entre vocês e o que tenho à falar sobre esses assuntos. Bom, vamos à pintura. Pastel oleoso sobre papel Kraft 180 g - 297 x 210 mm