Pular para o conteúdo principal

Maluco beleza

Saudações visitantes!

Como devem saber, nos últimos meses tenho estudado tinta acrílica ostensivamente e na postagem de hoje, vou mostrar como andam esses estudos.

E como sempre estou me desafiando a fazer algo fora da minha zona de segurança, além do estudo de tinta acrílica em si, dessa vez resolvi testar uma técnica muito interessante, que vi o pintor Cesár Córdova explorar em seu canal.

É um técnica clássica que consiste em pintar primeiro o volume do motivo retratado na pintura, para depois aplicar os matizes diluídos até quase ficarem transparentes. No vídeo, Córdova usa tinta óleo nesse processo, mas como óleo e acrílica compartilham algumas características, no fim o estudo deu certo.

Usei como referência para esse trabalho uma foto de nada mais, nada menos que o grande Raul Seixas. E para dificultar mais ainda, peguei uma foto em preto e branco. Ou seja, depois de construir o volume, precisei procurar referências do tom de pele dele para tentar entender como construir isso depois. Foi bem trabalhoso, mas gratificante.

Outro estudo que fiz com essa pintura, foi o de "cópia ou ampliação quadriculada", que vocês podem conferir no vídeo a seguir. 

Eu sempre desenho olhando a referência, mas na maioria das vezes, não consigo manter as proporções. Por isso resolvi testar essa técnica, assim posso fazer pinturas mais próximas das reais.

Bom, vamos à pintura.

O trabalho foi desenvolvido em uma folha de papel Canson Layout 180 g - A4. E para aumentar a resistência dele, usei tinta acrílica de parede e funcionou perfeitamente. Além de conferir ao papel, uma textura de lixa muito interessante que pode ser aproveitada para pastel seco. Use àqueles rolinhos de espuma, a textura é incrível.

O volume foi construído com as cores: preto, sombra queimada, terra de siena, ocre e branco. A primeira parte do estudo consiste em marcar os valores mais altos e mais baixos da pintura, para depois construir a transição de tons entre eles.

Na fase seguinte, aplica-se os tons que compõem a matiz da pele, mas quase transparentes. Dessa forma esses tons se mesclam com as sombras e criam todas as variações necessárias. Nesse caso, usei as cores: terra de siena, vermelho, ocre, amarelo limão e sombra queimada. 

Na finalização, precisei corrigir uma coisa ou outra com alguns tons mais claros, como: branco, areia e até um pouco de magenta, para criar a sensação de pele quente, viva. E acredito que para um estudo, o primeiro sobre essa técnica, acho que esta bom demais.

Emfim, foi trabalhoso mas foi gratificante. A cada novo estudo, percebo quão poderosa é a tinta acrílica. As possibilidades de efeitos e combinações são ilimitadas, e o melhor de tudo é que as tintas são acessíveis (financeiramente falando), além de renderem muito. Estou devendo um post sobre as tintas em si. Quando comecei a pintar, tinhas alguns tubos PEBEOs, um tubo de Acrilex branca, além de um Corfix. Quando testei as Acrilex de pote pequeno foscas, perdi as estribeiras. A ideia era comprar apenas a cor preto e ciano, para substituir as Pebeos que acabaram, agora tenho mais de dez cores de Acrilex. Aguardem qualquer hora dessas elas aparecem aqui.

Há, se você não conhece o Raul Seixas, a música dele que deu título para essa postagem é essa aqui:


Abraços e até breve.

Comentários

  1. O resultado ficou muito bom, Mateus! Acompanhando o seu processo, deu para se ter uma boa ideia da experiência de se usar acrílica. Nesse caso, mostrou-se bem parecido com a tinta a óleo.

    E eu pensando que só seu usava cores chapadas para esse tipo de tinta.

    Parabéns pelo trabalho. Belo quadro e ótimo texto! E, ah... O Raul é lendário, homenagem merecida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo Andy!

      Agradeço por acompanhar e por comentar. Comecei a usar acrílica por esse motivo, é quase como se fosse tinta óleo, mas sem a necessidade de se usar solventes. E isso é muito bom! Já usei óleo, comecei com ela inclusive, mas abandonei por causa do cheiro forte de solvente que ficava, mesmo com o Ecosolve que é mais fraco.

      Estou querendo aumentar a quantidade de postagens aqui nos próximos dias, e diminuir do Instagram, então cola aí que tem novidade chegando.

      Abraços!!!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dick Vigarista (Dastardly)

Saudações visitantes! Com o carnaval chegando, queria pintar um pouco, mas estava com preguiça de desenhar algo novo. Ando com pouquíssimo tempo ultimamente, por isso, para não desperdiçar o tempo que vou gastar com arte, tenho que escolher bem o que fazer. Se você me segue no Instagram, sabe que já desenhei o carro cinco da Corrida Maluca (Wacky Races). Entretanto, estou travado com a pintura, inclusive, estou pensando em redesenhar o carro. Isso, por que depois de concluir o desenho e começar a pintar, percebi que o carro parecia demais com um Fusca e isso não me agradou muito, pois a intenção não era de desenhar um Fusca. Vamos esperar para ver o que o futuro reserva para esse carro. Sendo assim, o jeito seria fazer algum desenho novo ou trabalhar em um que estou travado. Aí lembrei do Dick Vigarista que desenhei para a próxima coleção Wacky Races, a de personagens e ele caiu como uma luva. Estava com tanta saudades de pintar, que esse trabalho saiu num espirro. Usei basi

Astronaut - Strawberry Galaxy

Saudações visitantes! Faz uns dias que fiz o esboço do desenho a seguir (de uma versão simplificada da personagem). A ideia era usar a ilustração em uma embalagem de iogurte de morango. Como isso não aconteceu e eu acabei gostando muito do conceito, resolvi "dar vida" ao personagem em seu universo. Inicialmente, queria fazer essa pintura digitalmente, mas por falta de tempo, resolvi pintar com guache. -  Posso levar os materiais tradicionais para qualquer lugar e não preciso de energia elétrica, sequer preciso de uma mesa . - No fim, acabei usando um pouco de lápis de cor para refinar alguns detalhes e um pouco de pintura digital para corrigir alguns erros. E esse é o resultado: Fiz esse desenho no meu sketchbook A5, ele possui diversos tipos de papel, incluindo algumas folhas de Canson Layout 180g, suporte utilizado para essa pintura. Apesar desse suporte não possuir características ideais para técnicas úmidas, quando bem utilizado, resiste e entrega um resultado

The Crimson Haybailer

 Saudações visitantes! Enfim conclui a pintura do carro n.º 4 da Corrida Maluca ( Wacky Races ), ou Carro Voador (no Brasil), ou ainda The Crimson Haybailer (nos EUA). Demorou um pouco mas consegui finalizá-lo como queria. Por diversos motivos, estou com pouco tempo esses dias. Primeiro por que depois de concluir a pintura da base (última imagem da postagem) com guache, decidi que concluiria o trabalho pintando a asa inferior e a superior com o Photoshop; Segundo, neste meio tempo, acabei entrando em um emprego novo e fiquei sem possibilidades de fazer novas pinturas ou desenhos, além dos freelas que aparecem de vez em quando e sugam o restante do pouco tempo que tenho. Por isso, a pintura precisou ficar parada por um tempo. Mas nessa última sexta-feira, fiquei irritado com isso, pintei a asa superior com guache e depois de recortar e editar a imagem, corrigi a posição da asa inferior usando uma ferramenta mágica do Photoshop chamada "edição de imagem".