Pular para o conteúdo principal

Black Queen | Acrylic Paint

Saudações!

Depois de meio século de distanciamento do blog, retorno com um dos meus últimos estudos em acrílica, a Rainha Preta.


Fiz essa pintura no meu Sketchbook One A4 da Canson. Como a folha é de 100 g/m², precisei preparar ela antes de pintar e desta vez, ao invés de gesso acrílico, usei médium acrílico em tubo da Acrilex. Funcionou bem, mas prefiro o gesso.

"O Medium Acrílico em tubo é como uma tinta acrílica qualquer, mas sem pigmento. Você usa ele quando quer aumentar o tempo de secagem da tinta ou diluir ela sem que se perca o corpo da tinta em tubo. Você expande a tinta mantendo suas características. Digamos assim, você pode diluir a tinta sem deixá-la líquida."


Usei basicamente tintas da Acrilex nesse trabalho, tem um pouco de Pebeo também, mas em geral, usei Acrilex mesmo. É muito prático, elas são disponibilizadas em potes e já vêm diluídas, prontas para aplicar no suporte. Ganho agilidade assim e desperdiço menos tinta, porque é impossível não desperdiçar acrílica. Depois que a tinta é colocada no godê para que se faça misturas a fim de obter outras cores, você já está perdendo uma parte da tinta. Elas secam muito rápido, as de tubo então, secam em instantes.


Abusei da técnica de velatura nessa pintura. Queria para a pele, a melhor transição de degrades quanto possível. Então trabalhei com a sobreposição de camadas bem finas e transparentes. Nas demais áreas, fui menos criterioso. Esse processo aumentou o tempo de produção, mas como esse é um estudo, o tempo gasto não importa.


O papel ondulou bastante, afinal, ele não foi desenvolvido para técnicas úmidas, quanto mais para um tinta pesada como a acrílica. Mas fica a dica, qualquer suporte pode ser utilizado com acrílica desde que seja preparado antes. O ideal, é usar papeis acima de 200 g/m², mas com 100 g/m² (se você não se preocupar com a ondulação), já dá para pintar bem. Além disso, se o papel receber muitas camadas de tinta, a ondulação fica imperceptível.


Meus potes de tinta Acrilex variam entre tintas brilhantes e foscas, comprei aleatoriamente para testar, mas as foscas são mais interessantes, principalmente se você quiser usar lápis de cor depois. Sem contar, que as foscas não atrapalham a iluminação na hora de fotografar ou digitalizar.

Espero que tenham gostado da pintura e dos conhecimentos sobre acrílica que dividi com vocês, à medida que aprender coisas novas sobre essa tinta, farei postagens novas.

Abraços e até breve!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha