Pular para o conteúdo principal

Dry pastel - 1 | Basic materials

Saudações caros visitantes!

Hoje, vou falar um pouco sobre pastel seco, demonstrando passo a passo o processo que estou desenvolvendo ao estudar esse material incrível. Estou batalhando desde o início do ano para entender como usar pastel seco em meus desenhos, esse sempre foi um material que representou meus limites artísticos e, enfim, começo a gostar dos resultados que obtenho com ele.

Se vocês quiserem acompanhar o trabalho de artistas que para mim, são monstros em pastel seco, confiram os seguintes Instagram's: @patricia.otero e a @burmilki – assim vocês terão noção do poder incrível que esse material tem.

Não vou citar nenhum artista clássico, por que o Google esta à sua disposição para isso viu? Enfim, vamos aos trabalhos de hoje.

As fotos foram feitas com meu celular, e a câmera não é das melhores. Mas ou simplifico o processo ou não produzo, prefiro produzir como posso com o pouco tempo que tenho.


O esboço

Para esse trabalho, resolvi comprar o papel próprio para desenhos com pastel seco, nesse caso, trabalhei com uma folha em formato A4 do papel Canson Mi-Teintes - 160 g, que além de ser colorido, tem resistência e textura incríveis.

Por ser difícil de trabalhar com grafite em papel colorido (quase não consigo ver o traço), precisei trabalhar com o lápis CONTÉ | A PARIS - Blanc - White, que é o material ideal para se desenhar em papeis porosos e coloridos. E sim, é possível apagar esse lápis do papel, desde que use uma borracha de consistência seca ou limpa tipos.

Escolhi um motivo simples para desenhar, por que queria que seguissem o tutorial na casa de vocês como estudo. Mas podem fazer de qualquer referência que quiserem. Para quem não conhece, essa é a Piranha, um peixe de água doce.


Materiais básicos

Já apresentei pra vocês o papel e o lápis ideal para desenho com pastel, agora, vamos aos pasteis que uso e aos materiais complementares.


Acima, da esquerda para a direita, vocês pode ver:

  • Giz pastel seco Koh-I-Noor Hardmuth - Toison D'or
  • Lápis pastel seco Conté à Paris
  • Lápis pastel seco Derwent England
  • Lápis pastel seco Koh-I-Noor Hordmuth - Gioconda Soft Pastel
  • Lápis pastel seco Cretacolor Austria
Maciez - Os gizes Koh-I-Noor são bem macios, seguidos pelos Lápis Gioconda, também da Koh-I-Noor, que consequentemente são mais macios que os da Conté, Derwent e Cretacolor.

Pigmentação - Os gizes e lápis da Koh-I-Noor são bem pigmentados e possuem cores vivas. Já os Derwent parecem ter menos pigmento e são um pouco desbotados, tenho a mesma sensação com os lápis aquareláveis deles (será uma característica da marca?). Já os Conté e Cretacolor, são bem pigmentados, mas como tenho poucos exemplares deles para tecer uma opinião mais aprofundada, preciso ser conciso.

Considerações gerais - Os gizes, são os melhores materiais para se trabalhar com pastel seco, são acessíveis, macios e são disponibilizados em uma grande gama de cores. Só não são bons para detalhes. Não conheço outra marca de giz pastel seco, mas os da Koh-I-Noor são perfeitos e eu recomendo.

Os lápis pastel, são ideais para detalhes se você for trabalhar com papeis menores, algumas marcas são acessíveis (Gioconda e Cretacolor), todos são mais duros que os gizes (mesmo os que se dizem macios) e podem ser usados em conjunto aos gizes ou sozinhos. Os lápis da Conté à Paris têm o preço mais alto do mercado, um único lápis, pode passar fácil dos R$ 20,00.


Cores

Os primeiros gizes pasteis que comprei, foram uma caixa com doze cores da Koh-I-Noor que na época, eram acessíveis, hoje não mais. E como misturar essas cores para obter outras era trabalhoso e nem sempre dava um bom resultado, aos poucos, fui aumentando a gama de cores e hoje, já estou com vinte e duas opções que em conjunto aos lápis, têm me atendido bem.

Quando comecei a me aprofundar nos estudos de pastel seco, comecei a sentir a necessidade de comprar alguns lápis para fazer detalhes. Nessa época, comprei meus cinco Giocondas, meu único Cretacolor e os dois Contés que tenho, que apesar de não fazerem parte da mesma "família de lápis", são pasteis secos.

Os Giocondas são: branco 8820/1, cinza quente 8820/40, cinza frio claro 8820/35 e preto 8820/12. O Cretacolor, é o Sépia Hell 262 e faz parte dos lápis voltados para desenho artístico. Os Conté são: verde água Pastel 021 - 1355, o sanguínea France 610 e o branco France 630. Sendo que apesar de serem pastel secos, o France 610 e 630 fazem parte da linha de lápis especiais para desenho artístico e não entram no pacote de pasteis da marca, nessa mesma linha, tem os lápis de carvão prensado que são excelentes.


Ferramentas complementares

Existe uma gama enorme de ferramentas que você pode usar com pastel seco para facilitar sua vida, já testei algumas, adaptei outras e hoje tenho um pacote especial que sempre me ajuda na hora de fazer os trabalhos. Aqui, vai depender da sua experiência com o material, então tenha paciência e faça muitos testes.


Da esquerda para a direita, eu trabalho com:
  • O suporte para colocar o giz pastel seco, é como uma lapiseira, você insere o giz dentro e ele trava o giz com umas garras de plástico e molas. Além de não sujar sua mão, esse material proporciona firmeza no manuseio do giz e atua como um extensor.
  • O pincel de maquiagem para sombra tem uma espuma na ponta que ajuda quando temos que misturar cores em pequenas áreas. Esse material, adaptei para usar com pastel seco e foi um achado.
  • A "seringa" para recolher parafusos, é uma ferramenta que usava quando trabalhava com manutenção de computadores, ela tem três garras metálicas que uso para trabalhar com o pastel seco quando ele quebra. As garras prendem o pedaço e eu posso continuar usando o giz até para fazer detalhes com as quinas. Outra feliz adaptação.
  • O algodão é ótimo para misturar cores, o chumaço de algodão, é ideal para espalhar o pastel por grandes áreas e o cotonete, em pequenas áreas.
  • Melhor que o algodão, apenas o papel toalha ou pano, ambos são fantásticos quando você pretende espalhar uma cor uniformemente sobre a superfície do papel.
  • Não esta na foto, mas a ferramenta mais importante que existe para se trabalhar com pastel seco é a palma da mão, ela mescla o pastel seco de uma forma incrível e com a ponta dos dedos, você pode mesclar cores em áreas menores. O problema, é que suja muito o dedo, e você tem que ficar limpando toda hora no papel toalha. Por isso, quando vou usar pastel seco, também uso luvas de silicone, outra ferramenta que ajuda muito quando o assunto é pastel seco.

Considerações finais 

Passar álcool em gel na mão constantemente ou lavar com água e sabão, diminui a quantidade de gordura que fica na palma da mão e isso é muito bom para trabalhar com pastel seco, inclusive evita manchas no papel. Um infeliz aprendizado que a pandemia de COVID trouxe.

Também usei esfuminho, esponja (espuma de lavar carro) e pincel para trabalhar com pastel seco, mas não gostei muito, por isso, ficaram apenas como experiência.

A borracha limpa tipos, também pode ser usada para remover o pastel do papel, mas eu prefiro cobrir com outra camada de pastel do que remover.

Outra adaptação interessante que tive de fazer quando comecei a adquirir outras cores de giz e não tinha como guardar na caixa original, foi a de comprar um porta jóias ou similares. Colocar os gizes separados por cores, os mantém limpos e organizados. Tem uns modelos de madeira muito incríveis, mas meu orçamento não me permite esse tipo de mimo.

Se você tem gizes sem proteção de plástico, como os retangulares geralmente são, coloque-os em uma tigela com arroz (grão cru) e balance de um lado para o outro, o arroz limpa a superfície do pastel, é incrível.

Você pode usar os lápis ou os próprios gizes para misturar outras cores, depois de fazer isso, use papel toalha para limpar o material, a fim de evitar sujar áreas que não precisam daquela cor.

Você pode usar um estilete, para remover tiras do plástico/papel que envolve os gizes pastel seco, é como apontar. Mantenha o restante para aumentar a resistência do giz. E em hipótese alguma descarte o giz pastel seco quebrado, pelo amor que tem por seu dinheiro, guarde esses pedaços! Eles ainda são giz pastel seco e podem ser usados em detalhes ou para preencher grandes áreas.

Existem diversos formatos de giz pastel; barras retangulares, lápis, barras arredondadas pequenas e grandes, etc. Só citei os materiais que tenho e dos quais posso falar.

Por enquanto, é isso que sei sobre o material pastel seco e como essa postagem ficou maior do que eu imaginava, resolvi dividir ela em duas partes. Na próxima, falo sobre o processo de pintura/desenho com pastel seco em si. Mas vou deixar vocês com esse petisco do desenho como inspiração.


Abraços e até breve.

Comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha