Pular para o conteúdo principal

Abóbora | Pintura digital do esboço à finalização

Saudações visitantes!

Conforme prometido, vou destrinchar meu processo de pintura digital usando a abóbora que postei recentemente no Instagram.

Tudo começa com a escolha da(s) referência(s) que você vai utilizar para criar a pintura. Gaste muito tempo nesse processo, a chance do seu trabalho ficar melhor por conta disso, é alta. Então vale o custo. No caso da pintura que fiz, apenas tentei reproduzir digitalmente a imagem da abóbora, por isso escolhi apenas uma imagem qualquer como referência. Pois o foco da pintura não era o resultado final, mas sim o processo. Nesse caso, uma pesquisa no Google ou no Pinterest resolve.

Usei o Photoshop para criar e refinar o esboço para definir melhor o contorno do desenho e para sugerir um pouco do volume da imagem.

Em seguida, com a ferramenta laço, desenhei e separei em três níveis o que seria pintado. Mas aqui, depende da sua experiência com o software, se quiser pode desenhar usando o Bézier e criar formas vetoriais modificáveis. Como eu precisava de algo simples e rápido, usei o laço para criar três camadas: a parte frontal, o caule e o verso da abóbora. Isso pode ser chato, mas ajuda na hora de fazer correções ou alterações, caso esteja fazendo um trabalho para um cliente. Quanto mais divisões da ilustração criar, melhor será. Procure organizar seu trabalho, use diversas camadas e pastas. Mantenha seu trabalho limpo e classificado, isso ajuda demais em possíveis alterações futuras.

Nesse ponto da pintura, também selecionei as cores que definem o volume das formas. Isso facilita na hora de pintar e manter os mesmos tons. Mas isso é algo que eu gosto de fazer, se você quiser trabalhar com as amostras do software ou usar os círculo de cor enquanto pinta, fique à vontade.

Depois de separar as formas básicas migrei para o Paint ToolSAI e criei uma camada para cada área. E assim construí o volume que dá forma à imagem. Nessas camadas, trabalho dos valores médios aos extremamente baixos, ou seja, trabalho com as sombras do objeto. E aqui, fica à sua disposição usar o software conforme desejar, no Photoshop, você pode usar máscara de camada ou máscara do corte, no PaintToolSai também. Já no Corel Painter, só encontrei a função de máscara de camada/forma, mas as possibilidades são infinitas. Você pode duplicar a camada que será pintada e bloquear a opção de Pixels transparentes dela para pintar apenas dentro da área selecionada. Enfim, seja criativo.

Depois de definir os volumes, eu crio outras camadas para construir os valores altos, ou seja, as luzes das formas.

Você ainda pode criar subcamadas com luzes rebatidas, texturas, padrões, etc. A vitória da pintura digital sobre a tradicional, é o uso de camadas e o fato de poder controlar a interação entre elas. Não utilizar esse recurso é como saber ler e não ler. Já pintei digitalmente sem o uso de camadas, inclusive, quando estou pintado apenas para mim, faço isso para sentir a mesma emoção da pintura tradicional, em que cada pincelada precisa ser dada no lugar certo. Mas para fins comerciais, eu não recomendo.

Depois de trabalhar nas três camadas conforme dito anteriormente, crio outra camada sobre elas para fazer correções ou aplicações de detalhes que unifiquem a pintura. E por fim, para deixar o trabalho com uma sensação mais natural, utilizo uma mascara em todo o contorno da forma para “destruir” as bordas da pintura com o mesmo pincel que usei para pintar na parte interna.

Conforme prometido, a seguir vejam os pinceis que criei no ToolSai e que usei para fazer essa pintura. Em casa, preciso trabalhar com o ele por que meu notebook não é uma Ferrari. O ToolSai é totalmente personalizável, funcional, leve e tem uma excelente interação com o Photoshop.


Enfim, esse é o meu processo de pintura digital, ele não é uma regra, é apenas uma orientação. Que tal desenvolver o seu e compartilhar conosco?

E lembre-se, softwares e pinceis são apenas ferramentas, não importa qual você usa, o que realmente importa, é a forma como você os entende e os utiliza a seu favor. Quem cria a pintura, não é o software, é você.

Abraços e até breve.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha