Pular para o conteúdo principal

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes!

Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem!

Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante.

Vamos aos itens:

3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max

Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha da Faber-Castell e felizmente adorei. Ela é excelente, não mancha o papel, remove bem o grafite, não é arenosa e não "agride" a superfície da folha, além de ser bem acessível. E o plástico que envolve ela, além de ser anatômico, mantém a borracha longe da gordura das nossas mãos e isso é muito importante.

Link para a fonte da imagem.

2° - Borracha Staedtler Mars Plastic

Comprei essa borracha, por que a que eu usava na época, uma Pentel, começou a manchar o papel. Até então, só havia testado um lápis simples dessa marca e gostei muito. Por isso resolvi dar essa chance para esse material, no fim foi um achado. Ela não só apaga bem, como não agride a superfície do papel e não é que ela seja arenosa, mas sua composição é a de uma borracha levemente ressecada, levemente abrasiva, mesmo sem ser realmente abrasiva. Até esses dias, essa era a melhor borracha que havia testado. Uma das únicas que usei até acabar.

Link para a fonte da imagem.

Comprei o material a seguir, porque queria testar um borracha de boa qualidade que apagasse lápis de cor e tinta. Ou seja, eu queria comprar uma borracha abrasiva. A Pentel, tem um modelo de borracha abrasiva cinza que sempre encheu meus olhos, mas quando fui procurar ela na loja em que geralmente compro materiais online, estava em falta. Por "sorte", quando as lojas reabriram aqui em BH, no primeiro relaxamento da quarentena, precisei ir ao centro comprar algumas coisas e encontrei essa borracha em uma das únicas lojas de materiais de arte que estava no caminho que faria. Era a única borracha abrasiva de boa qualidade que havia lá e apesar de não conhecer muitos materiais da Pelikan, resolvi arriscar. O preço estava muito em conta.

1° - Borracha Pelikan PK 20 

Que grata surpresa! Essa borracha é composta por dois tipos de material, um lado branco, para apagar grafite e um lado azul, para apagar tinta. O lado branco da borracha, tem as mesmas qualidades da Staedtler Mars Plastic, poderia dizer que a fórmula é a mesma. E isso é incrível! Já o lado azul, menor, é a parte abrasiva da borracha. (Borrachas abrasivas tem areia em sua composição, o que lhes confere a característica de "lixa". Ou seja, o poder de apagar tinta vem daí, a borracha lixa o papel o suficiente para remover não só a tinta, mas uma parte da superfície da folha também. Elas devem ser usadas com cuidado para não furar o papel.) A Pelikan PK 20 lixa suavemente, o que lhe confere um bom controle do que é removido. Uso esse lado da borracha com lápis de cor, ou para limpar o papel depois do fim da pintura. Ela não mancha e isso é importante. (A borracha abrasiva da Mercur, àquela que é azul e vermelha, bem famosa no Brasil, mancha o papel. Apesar de ser muito abrasiva e de custo baixo, o fato de manchar o papel é um ponto muito negativo para mim.) A Pelikan PK 20 é excelente! Ótimo custo benefício, o melhor de todos. Por essas características, essa é a melhor borracha que testei até o momento.

Link para a fonte da imagem.

Espero que tenham gostado da postagem. Qualquer dúvida, comenta aí que terei o maior prazer em responder, se souber como responder claro.

No fim das contas, não consegui ser sucinto, mas esta bom, espero que tenha ao menos sido claro.

Abraços e até breve.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani , usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo , e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. - FONTE . Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e e

Still life | Oil pastel

Saudações visitantes! Recentemente, houve um aumento considerável de acessos à postagem sobre pastel oleoso . Aí pensei: como o pessoal gostou do conteúdo, vou fazer mais um trabalho com pastel oleoso demonstrando minha evolução depois daqueles estudos, a fim de provar que o tempo pode maturar o conhecimento sobre algo. Há, estou reorganizando as postagens e "catalogando-as" por temas, como: Aquarela , Guache , etc. Basta conferirem no canto direito da tela em Marcadores . Foi a forma que encontrei para diminuir o caminho entre vocês e o que tenho à falar sobre esses assuntos. Bom, vamos à pintura. Pastel oleoso sobre papel Kraft 180 g - 297 x 210 mm