Pular para o conteúdo principal

Canson Aquarelle XL + Pocket Box Van Gogh | Watercolor

 Saudações visitantes!

Hoje vou mostrar para vocês os estudos que fiz com a aquarela Pocket Box da Van Gogh com o Papel Canson Aquarelle XL.

Os primeiros testes que fiz com a aquarela da Van Gogh foram realizados em dois tipos de papeis, o Canson Aquarela 300 g e o Canson Desenho 200g. Eu gostei de usar os dois papeis por motivos diferentes, o Aquarela por ser muito resistente e o Desenho, por expandir a tinta de um jeito bonito.
Mesmo assim, esses dois papeis tem suas "deficiências", o Aquarela 300 g tem uma textura canelada que não me apetece nem um pouco, já o Desenho 200 g, não foi pensado para técnicas aguadas, então além de enrugar muito, resiste a um número menor de pinceladas.
Por isso resolvi apostar no papel da Canson que vem logo em seguida, o Aquarelle 300 g XL (melhor custo benefício em relação ao Montval) e eu encontrei um papel incrível para técnicas úmidas e aguadas.
O Canson Aquarelle XL contém tanto a resistência do Aquarela 300 g quanto a textura suave do Desenho 200 g e por isso, ele é o melhor papel que já usei com aquarela (até o momento). Na época que usei o Montval, não só não possuía uma boa aquarela, como não tinha experiência suficiente com a tinta para avaliá-lo corretamente. Então não posso dizer muito sobre ele, há não ser falar sobre a textura que é uma versão mais porosa que a do papel Desenho 200 g. Tirando isso, preciso comprar o bloco novamente a fim de realizar novos testes.
Como queria aproveitar bem o papel, resolvi que faria não um desenho grande e complexo, mas sim, diversos, utilizando diversas cores e formatos. Queria enfim botar a tinta à prova e bom, tanto ela quanto o papel passaram no teste com louvor.

Nos testes acima, em alguns pontos, usei guache branco para obter luzes marcadas. Até então, não havia comprado a máscara para aquarela, item que já testei e do qual em breve falarei aqui.

Também testei o verso do papel e não houve nenhuma surpresa, ele funciona exatamente como o verso do Aquarela 300 g, liso e com uma menor expansão da tinta que a face principal.

Nesse teste, usei nanquim para fazer o lineart e aquarela para pintar as cores base. Pra finalizar, usei tinta acrílica que é a única tinta que tenho que tem poder para pintar sobre o nanquim.
Acho que já perceberam que eu adorei usar o Canson Aquarelle XL né? Funcionou bem com aquarela, nanquim e acrílica (mais qualquer papel funciona bem com acrílica, se você souber usar os recursos extras desse material), com certeza vai funcionar bem com guache também. O bloco que comprei é aquele que vem com a espiral e as folhas destacáveis, formato A4. O custo por folha no dia em que comprei estava em R$ 2,07. O Canson Montval é mais caro.

Os aquarelistas podem achar estranho, pois trabalham com papeis cujo valor por folha chega facilmente aos R$ 100. Mas aí, são pessoas que trabalham vendendo aquarelas e que cobram fortunas por suas pinturas. E eu não cheguei a este nível ainda.

Abraços e até breve.

Comentários

  1. Vejo a qualidade do papel como um fator determinante quando falamos de aquarela. Mas nem por isso deve ser um material caro. O bloco Canson Aquarelle XL já me parece um investimento alto, mas que compensa.

    Teus resultados em todas as tintas ficaram bem interessantes, tem muito mercado para isso. A publicidade e o mercado editorial carece desse tipo de serviço. Já trabalhas na área?

    Para encerrar aqui meu comentário, deixo minha admiração pelo seu trabalho e quanto ele representa um incentivo para todos nós. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Andy! O papel influencia mais que a tinta, dependendo da técnica usada e do resultado que se deseja obter. Como tudo que eu faço tende ao realismo, esse papel atendeu bem, testei pouco com manchas soltas, mas essa hora vai chegar. Só de não precisar lidar com a textura canelado do outro, já fico feliz.

      Trabalho nesse mercado e até já fiz uma coisa ou outra, mas pago as contas é como designer, não como ilustrador.

      Fico feliz por saber que ajudo de alguma forma, quando comecei a escrever sobre minhas experiências nesse mundo da arte. A ideia era de iluminar o caminho de algumas pessoas, remover algumas pedras. Já fico feliz com isso. VALEU MSM!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha