Pular para o conteúdo principal

About art challenges | Gouache

Saudações visitantes!

Outubro passou e fiquei bem longe daquele desafio de desenho famoso. Depois de duas tentativas, percebi que fazer um desenho por dia, exige muita criatividade e força de vontade e eu confesso, nem sempre estou criativo e trabalho com algo muito cansativo (para a mente). Não vou nem falar sobre a "confusão" que deu com o criador do desafio, quero falar sobre outra coisa.

Fim de semana passada, recebi um convite para participar do #dezafio9 da loja Dezaina. E o desafio foi montado sobre a ideia de se fazer uma releitura de uma obra de arte de um artista famoso.

Assim que vi o convite, pensei em não participar, a última vez que participei, criei muitas expectativas e a frustração de não ter ganho ou sequer ter sido citado, gerou uma "bad vibe" chata demais. Eu acabei transformando o desafio em competição e isso não gerou algo bom em mim. No fim, percebi que isso não era legal para mim e me afastei desse tipo de competição.

Algumas competições depois, resolvi participar desse desafio, mas não para "ganhar", participei para me desafiar. Tomei para mim a "competição" e criei outras regras para que ficasse mais interessante. Depois que adquiri praticamente todos os materiais que pude (e queria), e de aprender de forma razoável como trabalhar com eles, tem sido bem difícil não exigir de mim, um nível mais alto.

Há um tempo, eu queria usar certos materiais e achava que meu trabalho não ficava bom, por que eu não os tinha. Hoje, sei que apesar da qualidade do material influenciar no resultado final, depende mais da experiência que você tem que do material em si. Por isso, esse desafio foi "importante" para mim, eu remodelei ele para quebrar essa estigma que criei.

Vejam a seguir o resultado final da releitura:


As regras que me impus foram:

  • Usar apenas um material, nesse caso, escolhi o guache Talens, meu material base.
  • Trabalhar com a técnica de pincel seco/levemente úmido, técnica que usei apenas em testes, nunca em um trabalho completo.
  • Usar apenas pinceis chatos e de cerdas duras, os que uso com tintas pesadas, como acrílica e óleo.
Essa última regra, ainda me gerou mais uma variável, eu não conseguiria trabalhar com detalhes. O que no fim das contas foi bom, pois tornou o processo mais prático, o que me permitiu terminar a pintura no mesmo dia, em cerca de quatro ou cinco horas. Com guache, minha fraqueza são os detalhes e nesse caso, o resultado da pintura me agradou muito.


No fim, a releitura foi bem interessante, por que ainda me rendeu mais um estilo de trabalho para criar pinturas. E no que diz respeito à releitura, basicamente, redesenhei o rosto do cangaceiro para que tivesse traços mais abrasileirados e acrescentei mais detalhes na vestimenta. Na pintura original, os traços me passam a sensação de serem orientais e apesar de não haver problema nenhum nisso, foi o porto em que me ancorei para fazer a releitura.

Candido Portinari, autor da obra Cangaceiro de 1952 (que podem ver a seguir) e que serviu de referência para essa pintura, é um pintor incrível. Não consigo nem imaginar o que ele representa para a arte, não só brasileira, mas mundial. Por isso, apesar de tentar manter os mesmos elementos da pintura original e de tentar realizar um estudo de cor sobre ela, confesso que não cheguei nem perto de alcançar a grandiosidade do quadro original. É um trabalho de cor intenso. O sol no rosto do cangaceiro, foi algo que por mais que tentei, não consegui representar tão bem na minha pintura.


E ainda sim, fico feliz com o resultado obtido. Com todas as restrições que criei para me desafiar, entregar uma pintura com tanta personalidade, me deixou flutuando. Por que percebi que consegui contornar razoavelmente as restrições e que mesmo com pouco, pode-se fazer muito.

Espero que tenham gostado do resultado e que tenham entendido que em nenhum momento, tentei copiar a pintura do Portinari. O trabalho dele, não pode ser copiado, é incrível demais.

Confiram mais obras acessando o site: www.portinari.org.br/

Confiram também meu Instagram: @mateus_cena

Abraços e até breve!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha