Pular para o conteúdo principal

O peso das escolhas

Saudações visitantes!

O post de hoje vai ser um pouco chato, entretanto, espero que entendam. Lembre-se, você não é obrigado a ler, tão pouco precisa gostar, mas tem a obrigação de respeitar o espaço que não é seu.

Ontem, tanto na ida para o trabalho quanto no retorno, peguei ônibus com pessoas que defendiam a plenos pulmões, a política do discurso de ódio de certa pessoa que nem merece ser citada. E isso, fez o meu humor, que já não estava alto, ficar ainda mais baixo.

E, mesmo colocando o fone de ouvido no volume mais alto, foi possível ouvir fragmentos de frases como: "... tem que matar mesmo..." e "... não importa se a pessoa é homofóbica ou racista, o que importa é o governo dela...". Não vou nem falar quanto tudo isso que eu vejo acontecendo tem me deixado assustado. Mas esses comportamentos, em público, me deixaram realmente impressionado.

A que ponto de sandice nossa sociedade chegou? Eu não sei se essa reação é resultado da frustração com o cenário atual do país ou se é sentimento de ódio contido e reprimido por muito tempo. A questão é que eu simplesmente não consigo entender o que se passa dentro da mente dessas pessoas. Para me confortar, penso que isso é um vírus e que o próximo passo, será a caminhada em bando à procura de cérebros para devorar.

Desse conturbado cenário, nasceu a seguinte ilustração:



Pensando na consequência que tem as escolhas, boas ou ruins, seja para nós e para as pessoas que nos rodeiam. Geralmente, no fim do dia, apenas você dorme com suas escolhas. Não importa o quão ruim elas tenham sido. As consequências do que você faz são responsabilidades suas. Mas e nos casos que todo mundo paga por uma má escolha do todo? Já pensou qual o peso que uma má escolha pode ter?

Nesse contexto, não importa se você é uma formiga operária ou um besouro rinoceronte, o peso sempre será grande demais para carregar.

Pense bem no que fará em todas as situações de sua vida. Carregar o fardo de uma péssima escolha por quatro anos ou por quarenta, pode ser péssimo para você, imagina quanto será para os outros.

Enfim, espero que a próxima postagem seja "mais leve".

Abraços!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oil Pastel

Saudações caros visitantes! Até cerca de uma semana atrás, dos materiais que eu possuo, acreditava que os pasteis oleosos eram os mais difíceis de se utilizar. Tentei aprender como funcionavam em três oportunidades diferentes e em nenhuma delas, obtive resultados satisfatórios. Mas isso mudou quando resolvi me desafiar. No início, fiz testes explorando as variações de cores disponíveis em desenhos bem simples. E a medida que comecei a entender melhor como utilizar o material, me arrisquei em pinturas mais complexas como a desse peixe logo acima. A seguir, o desenho à direita (a fruta de uma árvore de cacau), foi o primeiro desafio que me propus com os gizes. Usei basicamente as cores amareladas, avermelhadas e marrons, além do branco. O desenho à esquerda, foi o segundo realizado com os pasteis. Nele, testei basicamente os amarelos e o branco. A seguir, nos desenhos à esquerda, fiz testes com os gizes que possuem cores avermelhadas e esverdeadas. Já no desenho da direit

Boitatá | Gouache

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani, usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo, e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e eu acho que c

Minhas três melhores borrachas

 Saudações visitantes! Vou voltar a fazer um tipo de postagem que eu usava muito no blog antigo, são as "postagens drops ". Elas geralmente são sucintas e em sua maioria, análises práticas. Nessa publicações, muitas vezes apenas exponho minha opinião ou experiência com algum material ou como o utilizo. Espero que gostem! Infelizmente, não vou ter fotos desses materiais para mostrar, por que eu não fiz essas fotos quando comprei esses itens. Sendo assim, vou usar fotos da internet mesmo e vou citar as fontes para evitar dor de cabeça. Lembro ainda que essa é a minha opinião, você pode experimentar esses materiais e chegar às suas próprias conclusões. Te convido à expor suas opiniões nos comentários também, o aprendizado deve ser uma constante. Vamos aos itens: 3° - Borracha Faber-Castell Preta FC Max Na época que comprei essa borracha, cismei que precisava recompor minha bolsa de materiais para desenho e esboço com materiais da cor preta. Por causa disso, comprei essa borracha