Zatanna by Thiago Lima

Saudações visitantes!

Primeiramente, gostaria de salientar que este desenho não é meu, fiz apenas o lineart dele. O Thiago Limahttps://thinho88.deviantart.com/art/Avengers-Thiago-Lima-456521371, é o ilustrador responsável por esse incrível trabalho. Seu desenho serviu de plataforma para o estudo, e, de forma alguma, posso acrescentá-lo finalizado ao meu portfólio.

Quem me acompanha no Instagram (@mateus_cena) sabe, há alguns dias, comecei a realizar uns estudos voltados para a produção de quadrinhos em ferramentas digitais. Como falei no post, lineart é uma das skills (habilidades) que não domino. Por isso, resolvi estudar esse tipo de arte em um desenho mais complexo, já que os meus, raramente têm esse nível de detalhes.

Testei quatro softwares nesse processo, o Photoshop, o ToolSAI, o ArtRage e o Krita (descoberta recente). Escolhi meus preferidos e acabei chegando a um impasse; usar a tecnologia de suavização de traço é trapaça?

Tive uma conversa séria com meus botões, lembrei de um monte de coisas que já ouvi sobre autosabotagem e cheguei a seguinte conclusão:

Se o uso de novas ferramenta para criar arte é trapaça, desde o início dos tempos, todos os grandes pintores e artistas foram e são, trapaceiros. Muitos desses artistas, criaram suas técnicas e materiais de pintura, e isso, de forma alguma, desmerece o trabalho deles ou das pessoas que fizeram isso antes e depois deles. Seguindo esse raciocínio, concluo que a suavização de traço não é trapaça, é uma nova ferramenta que lhe possibilita diminuir e muito, o tempo de produção de um desenho. Ainda mais se tomarmos como referência, o mercado de publicação de quadrinhos. Os artistas têm cada vez, menos tempo para produzir os materiais. Nada mais justo que usar uma ferramenta que facilite esse processo de produção industrial de arte. Novos tempos, novas tecnologias.

Vejam a seguir ,passo a passo, o desenvolvimento do trabalho.

Comecei o trabalho no Photoshop, com a imagem em escala de cinza e desbotada,
apenas para facilitar a visualização dos traços.
Mas depois de uma tempo, fiz o esboço ficar azul, para facilitar
a visualização do traço em contraste com o esboço.



Apesar de ter usado outros programas, o lineart foi construído, praticamente, apenas no Photoshop. Depois de ter experimentado um traço mais expressivo no ToolSAI, abandonei o uso dos estabilizadores de traço e passei a trabalhar apenas com o Photoshop.


Agora, vejam um comparativo de um traço com estabilização e outro sem:

Com estabilização de traço.
Sem estabilização.
Por fim, vamos aos softwares:

O Krita, possui uma ferramenta de estabilização de traço delicada. Tanto, que demorei para encontrar um ajuste ideal para o que estava fazendo. Entretanto, isso não faz parte do pincel, é um controle extra, que pode ou não ser ativado e ajustado, através de um menu externo às configurações do pincel. Gostei muito dessas configurações, por que você pode alterar a variação de espessura do traço e o tempo do atraso do arrasto. Tenho a impressão que o Krita foi construído a partir do MyPaint, pois tanto o funcionamento, quanto os pinceis, lembram muito o MyPaint.

O ArtRage, possui a opção de estabilização de traço mais automatizada dos programas que testei, tanto, que ele aplica a variação de peso, depois que concluímos o traço. Seus controles, extremamente simples e diretos, podem ignorar completamente, as informações de pressão do traço que a mesa digitalizadora envia. Ao ponto de definir se a variação de peso será aplicada no início ou no fim do traço ou em ambos ao mesmo tempo. É divertido, mas mecânico demais, por isso é o software que apresenta o traço menos realista de todos.

O ToolSAI (assim como o MangaStudio), dos testes que fiz, é o suprassumo em estabilização de traço. Você não só pode criar um pincel extremamente artificial, resultando em linhas com curvas perfeitas e variação de espessura suave, como pode criar o mesmo tipo de pincel, mas com uma linha extremamente expressiva, simulando às vezes, traços próximos da técnica de Sumi-e. E se você diminuir um pouco o controle do programa sobre a linha, o pincel beira a perfeição, simulando as mínimas variações de pressão da caneta. E como se isso não fosse o bastante, é possível desenhar o lineart, como se fosse um vetor, com variação de pressão controlada pelo mouse. Ou seja, nem é necessário ter uma mesa digitalizadora com essa ferramenta.

Enfim, a minha versão do Photoshop, é o único software que testei e que não possui estabilização de traço integrada. Acredito que as versões mais novas do Photoshop CC, já possuem essa opção disponível. Até que enfim, a Adobe percebeu que o Photoshop é usado em larga escalar para fazer pintura digital. Mesmo sem a estabilização de traço, utilizando os pincéis do Kyle T. Webster, conseguir resultados excelentes. Tão bons e expressivos, que abandonei o uso dos outros programas completamente.

Como saldo dessa conta, restou o Photoshop como software principal para a criação de lineart e pintura e o ToolSAI, como suporte, caso eu queira usar a estabilização de traços. Esse software se tornou tão essencial para mim, que carrego uma versão portátil dele, completamente personalizada, para as horas de aperto.

Para os que conseguiram chegar ao fim da postagem, agradeço a atenção. De qualquer forma espero ter ajudado.

Abraços e até breve.

2 comentários:

Aguarde um pouco. Assim que eu ler seu comentário, ele será publicado e terei o maior prazer em respondê-lo.

Agradeço por comentar!

Um abraço e até breve.