Pular para o conteúdo principal

Postagens

Natureza morta com pastel oleoso

Saudações visitantes! Recentemente, houve um aumento considerável de acessos à postagem sobre pastel oleoso . Aí pensei: como o pessoal gostou do conteúdo, vou fazer mais um trabalho com pastel oleoso demonstrando minha evolução depois daqueles estudos, a fim de provar que o tempo pode maturar o conhecimento sobre algo. Há, eu estou reorganizando as postagens e "catalogando-as" por temas, como: Aquarela , Guache , etc. Basta conferirem no canto direito da tela em Marcadores . Foi a forma que encontrei para diminuir o caminho entre vocês e o que tenho à falar sobre esses assuntos. Bom, vamos à pintura. Pastel oleoso sobre papel Kraft 180 g - 297 x 210 mm Usei os pasteis oleosos da Pentel, gosto muito da pigmentação deles e da facilidade de se misturar os gizes e obter outras cores. Não tenho certeza se disse isso da outra vez, ou mesmo se sabia disso , mas é interessante dar um tempo de "descanso" entre as camadas aplicadas. Isso possibilita ao papel absorver um pou

Estudos de textura e cor

Saudações!  Dando continuidade ao que disse no post anterior, pintei mais dois animais que estavam reservados para estudo há séculos, dessa vez vou mostrar um sapo e um caracol . Ambos foram escolhidos como estudos de textura e cor e eu acho que o resultado ficou bom. Resolvi testar também o uso do papel Kraft 180 g com o guache e até que deu certo. Ele ficou levemente enrugado, mas por incrível que pareça, suportou várias camadas de água sem rasgar ou derreter. Essas pinturas foram feitas no formato A5 e a superfície colorida do papel ajuda na hora de preencher o fundo, por que ele se destaca em relação às cores da pintura. Enfim, foram bons estudos. Espero que gostem! Abraços e até breve.

Red Fox

Saudações visitantes! A postagem de hoje será bem sucinta. Fiz a pintura à seguir, para iniciar um tópico de pinturas de animais que será criado no meu portfólio . Nesses últimos dias, estou afastado do Instagram e isso esta me ajudando a focar em outras áreas que de alguma forma, "larguei num canto da sala". A consequência de me afastar do Instagram é quase palpável, tenho mais tempo para fazer outras coisas, como ler ou assistir séries, ou mesmo, dormir. Produzir para o Instagram cansa muito por causa da periodicidade e do baixo retorno (o que para mim é bem frustrante). Então vamos seguir assim por um tempo. As novidades, serão publicadas aqui e/ou no meu  portfólio . Essa pintura foi feita com guache Talens em um papel Canson 200 g no formato de 145 x 210 mm. Tentei brincar com a variação entre áreas detalhadas e outras, cuja textura ou o volume foram apenas sugestões. De acordo com os " meus conceitos de pintura ", essa é uma clássica pintura de

Cenário Ghibli

Saudações visitantes! Realizei a pintura de mais um cenário de uma das animações do Estúdio Ghibli, nesse caso, A viagem de Chihiro . Dessa vez, usei uma referência mais simples, a fim de diminuir o nível de dificuldade da pintura. Da última vez, pintei a casa de banhos e foi muito demorado. Dessa vez, gastei cerca de duas semanas (não em questão de horas, mas sim em dias que parei para pintar um pouco). Usei apenas guache Talens e uma folha de papel Canson Desenho 200 g. Essa pintura não tem bordas, então todo o formato dela compreende o de uma folha A4, ou seja 210 x 297 mm. Espero que tenham gostado. Abraços e até breve.

Boitatá

Saudações visitantes! Vocês já assistiram alguma série que os deixou animados? Loucos para verem o próximo episódio? Então, assisti recentemente a série  Cidade Invisível , da Netflix. Ela foi inspirada no folclore brasileiro e apesar de não ter o roteiro perfeito, me deixou empolgadíssimo. Chegou ao ponto de postergar a conclusão da série a fim de saborear melhor a história e os personagens. Enfim, todo esse hype me fez criar a pintura que vêm a seguir. Ela foi inspirada pela lenda do Boitatá, uma criatura mítica do nosso folclore e que, apesar de não aparecer na série (ainda), é uma das minhas preferidas. Segundo a Wikipedia: Boitatá é um termo tupi-guarani , usado para designar, em todo o Brasil, o fenômeno do fogo-fátuo , e deste derivando algumas entidades míticas, das primeiras registradas no país. - FONTE . Para compor a pintura, usei fotos de referência da floresta amazônica e de algumas cobras. Queria representar um ambiente escuro para que o brilho do fogo se destacasse e e

Concurso MINICARMO

Saudações caros visitantes! Hoje, quero falar um pouco sobre o minha última pintura, a primeira com foco voltado específicamente para o público infantil. Quando vi o concurso ( #concursominicarmo ) que a ilustradora mineira Thaís Carmo ( @t.scarmo ) estava fazendo em parceria com a XP-Pen ( @xppen_br ), percebi que era a oportunidade perfeita para investir tempo e energia a fim de dar meu primeiro passo nesse mundo lúdico da ilustração infantil. O que mais gostei nesse trabalho, foi a possibilidade de usar uma paleta de cores bem vibrante, precisei de poucas cores cinzentas. Além disso, desfocar do realismo e pintar pensando mais na sensação final do que na forma em si é libertador. Apesar de usar a imagem proposta pela ilustradora como referência, fui um pouco além. Usei as montanhas de Minas Gerais ao fundo e a caneta da mesa digitalizadora, prêmio do concurso. Peguei as cores da empresa e criei uma onda que envolve tudo no cenário e que representa a criatividade que esse tipo de d

Lélia Gonzalez

Saudações caros visitantes! Para quem me acompanha pelo Instagram , sabe que estou fazendo uma série de trabalhos sobre retratos de pessoas, ícones do cinema, dramaturgia, teatro, música, etc. Já pintei com guache, aquarela, usei um pouco de lápis de cor e agora, resolvi usar um pouco de grafite também. Esse é o sexto trabalho dessa série e, de acordo com meus planos, ela terá dez itens.   Depois de pintar o ator Jamie Fox interpretando Django, resolvi que faria alguns trabalhos sobre pessoas pretas ou cuja cor de pele, fossem mais próximas às minhas. E não poderia deixar de fazer uma homenagem à Lélia Gonzalez , mineira, belo-horizontina e que em conjunto à outros militantes, fundou em 1978 o Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial (MNUCDR ou MNU). A história brasileira, oculta a importância que pessoas de pele preta têm. Isso é um absurdo, mas faz parte da nossa história. Ao invés de homenagear pessoas como a Lélia, fazem homenagens à estupradores e assassinos, como